fotos-doutores.jpg

Dr. Walter Rabelo
Email:
wrabelo@cardiol.br

Roshin C. Mathew, Jamieson M. Bourque, Michael Salerno e Christopher M. Kramer

ACC: Cardiovascular Imaging

Volume 13, Issue 7, July 2020

A compreensão da disfunção microvascular sem evidência de doença arterial coronariana epicárdica empalidece em comparação com a doença arterial coronariana epicárdica obstrutiva. Uma limitação primária no passado foi a falta de desenvolvimento de métodos não invasivos para detectar e quantificar a disfunção microvascular. Essa limitação afetou particularmente a capacidade de estudar a fisiopatologia, morbidade e tratamento desta doença. Mais recentemente, quase todas as modalidades de imagem cardíaca não invasiva foram usadas para quantificar o fluxo sanguíneo e promover a compreensão da disfunção microvascular.

A seguir, são apresentados os principais pontos a serem lembrados nesta revisão de ponta sobre imagens cardiovasculares na disfunção microvascular:

1. A compreensão da disfunção microvascular sem evidência de doença arterial coronariana epicárdica é muito menor em comparação com a doença arterial coronariana epicárdica obstrutiva.

2. Uma limitação primária no passado foi a falta de métodos não invasivos para detectar e quantificar a disfunção microvascular.

3. “Disfunção microvascular” é um termo amplo; na ausência de doença coronariana obstrutiva, inclui qualquer patologia que possa prejudicar a microvasculatura, incluindo disfunção endotelial, espasmo coronário, inflamação e aterosclerose.

4. Atualmente, vários métodos de imagem estão disponíveis para medir o fluxo sanguíneo do miocárdio no cenário da disfunção microvascular.

5. A tomografia por emissão de pósitrons (PET) tem os dados mais clínicos e prognósticos em comparação com as outras modalidades, mas as medidas de fluxo sanguíneo do miocárdio derivadas de ressonância magnética cardíaca (RMC) estão sendo cada vez mais usadas para avaliar a utilidade clínica e a resposta ao tratamento.

6. Alguns algoritmos foram propostos na avaliação clínica da angina microvascular e no diagnóstico de disfunção microvascular, com o uso do PET como modalidade de diagnóstico por imagem para avaliação de anormalidades na perfusão e quantificação do fluxo sanguíneo do miocárdio.

7. As medidas de RMC do fluxo sanguíneo do miocárdio permanecem no campo da pesquisa e ainda não foram totalmente examinadas para uso clínico.

8. Clinicamente, o tipo de modalidade de imagem utilizada deve depender da disponibilidade local da tecnologia, bem como da análise de risco / benefício e do custo para o paciente.

9. Atualmente, estudos adicionais estão examinando abordagens integradas de imagem e avaliações de reserva de perfusão miocárdica regional versus global, que mostram a promessa de melhorar a precisão da medição.

10. Nosso conhecimento atual dos mecanismos e da terapia para disfunção microvascular é significativamente menor que o da doença epicárdica obstrutiva, mas os avanços na imagem cardíaca podem em breve permitir uma melhor identificação e tratamento dessa doença.

Palavras-chave: Aterosclerose, Técnicas de Imagem Cardíaca, Doença da Artéria Coronária, Diagnóstico por Imagem, Vasospasmo Coronário, Inflamação, Imagem por Ressonância Magnética, Angina Microvascular, Microvasos, Isquemia Miocárdica, Imagem de Perfusão Miocárdica, Tomografia por Emissão de Pósitrons, Prevenção Secundária