fotos-doutores.jpg

Dr. Walter Rabelo
Email:
wrabelo@cardiol.br

Diretriz da ESC para o diagnóstico e tratamento da fibrilação atrial desenvolvidas em colaboração com a Associação Europeia de Cirurgia Cardio-Torácica (EACTSEuropean Heart Journal, EHRA https://doi.org/10.1093) Publicado: 29 de agosto de 2020

Microsoft Word РFibrilạo Atrial Diretriz 2020.doc

A seguir estão os pontos-chave a serem lembrados das diretrizes da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC) e da Associação Europeia de Cirurgia Cardio-Torácica (EACTS) para o diagnóstico e tratamento da fibrilação atrial (FA):

1. “FA clínica” é definida como FA sintomática ou assintomática documentada por eletrocardiograma de superfície (ECG) (pelo menos 30 segundos em monitor ou ambulatorial.”FA subclínica” refere-se a indivíduos sem sintomas, cuja interrogação de um marca-passo ou cardioversor-desfibrilador implantável(ICD).Embora haja uma quantidade significativa de dados sobre o manejo da “FA clínica”, faltam dados sobre o manejo ideal FA subclínica.

2.O rastreamento oportunístico para FA é recomendado em pacientes com ≥65 anos de idade, pacientes hipertensos e em pacientes com apneia obstrutiva do sono. A triagem sistemática com ECG deve ser considerada para detectar FA em pacientes com idade ≥75 anos ou aqueles com alto risco de acidente vascular cerebral.

3. Todos os pacientes com diagnóstico de FA devem ser submetidos a uma “caracterização estruturada”, que inclui risco de AVC, gravidade dos sintomas, carga de FA e avaliação do substrato da FA. O gerenciamento integrado de FA centrado no paciente pode ser realizado por meio da coordenação de um cardiologista, enfermeira,clínico geral e farmacêutico. A introdução de ferramentas para medir a qualidade do atendimento e identificar oportunidades para melhorar a qualidade do tratamento e o resultado do paciente com FA deve ser considerada por médicos e instituições.

4. O escore de risco de AVC clínico CHA2DS2-VASc deve ser usado para identificar pacientes de “baixo risco” (escore CHA2DS2-VASc = 0 em homens ou 1 em mulheres) que a princípio não devem receber terapia antitrombótica. A terapia antiplaquetária isolada não é recomendada para a prevenção de AVC na FA (Classe III). A anticoagulação oral (ACO) é recomendada para prevenção de AVC em pacientes com FA com pontuação CHA2DS2-VASc ≥2 em homens ou ≥3 em mulheres, e deve ser considerada em pacientes com pontuação CHA2DS2-VASc de 1 em homens ou 2 em mulheres, com tratamento individualizado com base no benefício clínico líquido e nos valores / preferências do paciente.

5. Uma avaliação de risco de sangramento baseada em pontuação de risco (HAS-BLED) é recomendada para ajudar a identificar pacientes com alto risco de sangramento que devem ser agendados para acompanhamento clínico mais frequente. O risco de sangramento estimado, na ausência de contra-indicações absolutas para OAC, não deve, por si só, orientar as decisões de tratamento para evitar o uso de OAC.

6. Os anticoagulantes orais não antagonistas da vitamina K (DOACs) são recomendados de preferência aos AVKs (excluindo pacientes com válvulas cardíacas mecânicas ou estenose mitral moderada a grave). Em pacientes com FA e síndrome coronariana aguda (SCA) submetidos a uma intervenção coronária percutânea não complicada, a interrupção precoce (≤1 semana) de aspirina e a continuação da terapia dupla com um ACO e um inibidor P2Y12 (preferencialmente clopidogrel) por até 12 meses é recomendada. A terapia tripla com aspirina, clopidogrel e um ACO por mais de 1 semana após uma SCA deve ser considerada quando o risco de trombose do stent supera o risco de sangramento, com a duração total (≤1 mês).

7. A terapia de longo prazo com ACO para prevenir eventos tromboembólicos deve ser considerada em pacientes com risco de acidente vascular cerebral com FA pós-operatória após cirurgia não cardíaca, considerando o benefício clínico líquido esperado do ACO e as preferências informadas do paciente. Os betabloqueadores não devem ser usados rotineiramente para a prevenção de FA pós-operatória em pacientes submetidos a cirurgia não cardíaca (Classe III).

8. O controle da frequência (frequência cardíaca <110 bpm no ECG) costuma ser suficiente para melhorar os sintomas relacionados à FA. A principal indicação para controle do ritmo é a redução dos sintomas relacionados à FA e a melhora da qualidade de vida. A ablação por cateter é uma alternativa bem estabelecida, segura e superior aos medicamentos antiarrítmicos para manutenção do ritmo sinusal.

9. Em pacientes com FA e função ventricular esquerda normal, a ablação por cateter não mostrou reduzir a mortalidade total ou acidente vascular cerebral; em pacientes com cardiomiopatia induzida por taquicardia, a ablação por cateter reverte a disfunção ventricular esquerda na maioria dos casos.

10. A obesidade e a apneia obstrutiva do sono são os principais fatores de risco para FA. A perda de peso melhora os resultados em pacientes com FA. Os programas agressivos de redução do fator de risco com foco no controle de peso, hiperlipidemia, apnéia obstrutiva do sono, hipertensão, diabetes, cessação do tabagismo e redução da ingestão de álcool reduziram significativamente a carga de FA após a ablação.

Palavras-chave: Congresso ESC, ESC20, Síndrome Coronariana Aguda, Agentes Antiarritmia, Anticoagulantes, Arritmias, Cardíaco, Aspirina, Fibrilação Atrial, Cardiomiopatias, Ablação por Cateter, Desfibriladores, Implantáveis, Eletrocardiografia, Hiperlipidemias, Estenose da Valva Mitral, Marcador de Plaquetas, Artificial Inibidores, qualidade de vida, avaliação de risco, fatores de risco, prevenção secundária, apneia do sono, obstrutiva, cessação do tabagismo, acidente vascular cerebral, função ventricular, esquerda, perda de peso