fotos-doutores.jpg

Dr. Walter Rabelo
Email:
wrabelo@cardiol.br

A seguir, são apresentados os principais pontos a serem lembrados na Decisão do Consenso de Especialistas do ACC 2019 sobre avaliação de riscos, gerenciamento e trajetória clínica de pacientes hospitalizados com insuficiência cardíaca:

  1. Cada estágio de uma admissão por insuficiência cardíaca, começando na unidade de e admissão / emergência até o primeiro acompanhamento pós-alta, é uma oportunidade para abordar a trajetória clínica atual e de longo prazo e melhorar os resultados.
  2. A trajetória clínica da IC deve ser avaliada continuamente durante a admissão. As trajetórias clínicas foram definidas como: 1) melhorando com o tratamento, 2) Estagnado após a resposta inicial e 3) não melhorando / piorando. O principal objetivo do manejo é a melhora dos sinais de congestão, evidenciado pela melhora dos sinais e sintomas, diminuição dos peptídeos natriuréticos e diminuição do peso. A trajetória clínica determina o gerenciamento.
  3. A avaliação da trajetória de longo prazo da insuficiência cardíaca deve ser realizada durante a avaliação inicial, deve ser revisada no dia da transição para a terapia oral e reavaliada na primeira consulta de acompanhamento.
  4. A consideração de condições comórbidas, como diabetes, doença pulmonar, doença renal e fragilidade, é um componente essencial da avaliação inicial abrangente. As comorbidades são altamente prevalentes em pacientes com insuficiência cardíaca, aumentam a gravidade da insuficiência cardíaca e contribuem para a descompensação. Estes devem ser abordados e tratados durante a hospitalização.
  5. Fatores de risco, como não adesão, grau de descongestionamento, adequação e tolerância à terapia médica orientada por diretrizes, devem ser avaliados durante a hospitalização e modificados quando possível.
  6. O dia da transição, normalmente o dia em que a terapia muda de diuréticos intravenosos para orais, é um ponto crítico na admissão em que o foco muda para manter a estabilidade. A determinação da eficácia do regime diurético é um componente essencial da fase de transição e a observação de um regime diurético na alta está associado a reduções significativas na mortalidade em 30 e 90 dias. Além disso, educação do paciente, educação do cuidador e planos de alta devem ser considerados neste momento.
  7. O dia da alta deve se concentrar na revisão, identificação e comunicação com os prestadores, em vez de iniciar novas terapias.
  8. O planejamento da alta hospitalar deve incluir um resumo do curso e trajetória hospitalar, documentação dos planos mais importantes para a continuidade dos cuidados, incluindo metas de cuidados / discussões sobre cuidados paliativos, educação de pacientes e familiares e identificação de médicos de cuidados continuados. A documentação deve ser disponibilizada prontamente a todos os membros da equipe ambulatorial e deve ser facilmente acessível no caso de um paciente ligar ou retornar com agravamento dos sintomas.
  9. A primeira visita pós-alta, idealmente ocorrendo entre 7 e 14 dias após a alta hospitalar, é uma oportunidade de reavaliar o estado clínico, fornecer educação adicional ao paciente, revisar medicamentos e doses e abordar fatores de risco para readmissão e possíveis indicações para terapias avançadas ou revisão dos objetivos do cuidado.
  10. A consulta sobre cuidados paliativos pode ser útil quando a trajetória é desfavorável e requer discussão sobre prognóstico, opções de terapia e tomada de decisão com pacientes / familiares / cuidadores.

Hollenberg SM, Warner Stevenson L, Ahmad T, et al.

Journal of the American College of Cardiology

September 2019 DOI: 10.1016/j.jacc.2019.08.001

Palavras-chave: Cuidadores, Comorbidade, Consenso, Tomada de Decisão, Diabetes Mellitus, Diuréticos, Serviço de Emergência, Hospital, Insuficiência Cardíaca, Hospitalização, Pneumopatias, Adesão a Medicamentos, Peptídeos Natriuréticos, Ambulatórios, Cuidados Paliativos, Alta do Paciente, Readmissão do Paciente, Insuficiência Renal, Risco Avaliação, Fatores de Risco, Gerenciamento de Riscos.